Nossa História

O metodismo chegou em Cataguases em 09 de fevereiro de 1894 através do pastor rev. Felipe Revale de Carvalho. No dia 13 de maio realizava o primeiro culto metodista. A organização da nova igreja deu-se em agosto do mesmo ano. A data de 13 de maio é oficialmente reconhecida como da fundação da igreja.

Em 09 de fevereiro de 1894, chegava à cidade de Cataguases o reverendo Felippe Revale de Carvalho e, com ele, a Igreja Metodista. Segundo José Carlos Barbosa, “a decisão de abrir trabalho metodista em Cataguases foi tomada na Conferência Distrital de Minas, realizada em Ubá entre os dias 11 a 13 de janeiro de 1894”. Mas é na data de 13 de maio de 1894 que se inaugura o salão de cultos em Cataguases, sob a direção do reverendo Felippe. Instalava-se, definitivamente, o protestantismo na cidade de Cataguases, ainda que sob forte perseguição religiosa e social.

Conforme o histórico da igreja local – “O Cristianismo Metodista no Brasil” – elaborado pelo Rev. Epaminondas Moura, o qual enviou também itens do histórico da igreja local ao Expositor Cristão (1940).

“Felippe R. de Carvalho chegou pela primeira vez a Cataguases, levando algumas Bíblias para vender sem conhecer pessoa alguma, sem outra direção, a não ser a da providência divina. O sr. José Fernandes Sucasas trabalhava no seu ofício, como de costume; e morava no antigo prédio, onde hoje [1940] se acha o jardim da estação da Leopoldina. Certo dia (talvez 9 de fevereiro), ao olhar despreocupado para a rua viu passando pela calçada um moço magro, moreno, simpático, humilde, levando um amarrado de livros na mão; e, instintivamente, chamou o viajante, sem saber quem era e lhe perguntou":

– “Que livros são estes que o senhor leva aí?”

– “São Bíblias”, respondeu o desconhecido, notando que o alfaiate falava alto (o sr. Sucasas sempre teve o timbre de voz muito forte).

– “Bíblias? Para que anda o senhor com estes livros?” perguntou o sr. Sucasas.

– “Para vender!” Foi a resposta que ouviu do vendedor.

– “Quem é o senhor?”

– “Eu sou pastor da Igreja Metodista”, respondeu o desconhecido começando a dar o seu testemunho.

– “Mas que é que o senhor anda fazendo por aqui?”

– “Eu venho a esta cidade para ver se consigo com o auxílio de Deus abrir um trabalho evangélico”.

– “Como se chama o senhor?”

– “Felippe de Carvalho, seu criado”.

– Faça o favor de entrar, eu desejo muito comprar uma Bíblia em português, falou o sr. Sucasas, mostrando atenção.

– “Pois eu estou aqui para vendê-las” respondeu o jovem pastor, entrando e sentindo certo ânimo. Nisto o sr. Sucasas pegou em um dos seus livros e perguntou:

– “Quanto custa uma dessas?”

– “Apenas 1$500, pode abrir e examinar”.

– “Só 1$500,? Então dê-me duas! E aqui estão 3$000!”

Após alguns instantes de conversa, Felippe saiu da casa do sr. Sucasas ganhando as ruas de Cataguases, oferecendo e vendendo exemplares da Bíblia, nos mesmos moldes dos colportores-missionários Daniel Parish Kidder e Hugle Clarence Tucker. Não tardou e Felippe R. de Carvalho alugou uma sala, no intuito de instalar um ponto de referência (um ponto de pregação) para reunir os ouvintes do Evangelho. Narra-se que de fevereiro a maio de 1894, o rev. Felippe passou conversando com as pessoas da cidade, “visitando as famílias e vendendo livros”. Em seguida, resolveu buscar sua família que estava instalada, supõe-se, em Juiz de Fora ou Rio Novo.

É muito comentada a predileção de Felippe R. de Carvalho pela data de 13 de maio; é, portanto, em 13 de maio de 1894 que se inaugura o salão de cultos em Cataguases. No domingo seguinte (20 de maio de 1894), o salão foi invadido por um grupo de fiéis católicos, incitados, conforme as narrativas históricas do Rev. Epaminondas Moura, pelo monsenhor Araújo, vigário paroquial local. A turba agitada, composta por cerca de 50 pessoas, entrou no templo gritando – Fora o protestante, fora o protestante! – e então um dos agitadores “deu uma terrível chibatada no irmão Júlio Lopes”. Já houve quem defendesse que a chibatada foi dada em direção da esposa do Rev. Felippe, a qual estava em vésperas de dar a luz, e que o irmão Júlio Lopes entrou na frente no intuito de protegê-la da agressão. Em seguida arrastaram Felippe R. de Carvalho pela rua à fora, intimidando-o a embarcar à força, expulsando-o da cidade. O humilde pregador continuou o seu trabalho, apesar das dificuldades que enfrentou para estabelecer o novo campo missionário de Cataguases, sendo seu trabalho reconhecido em todo o território nacional e da 4ª Região Eclesiástica.

Atualmente, a Igreja Metodista realiza seu trabalho missionário a partir de seus templos em diversos bairros da cidade. O templo central fica na Avenida Astolfo Dutra, 320, centro. A igreja também está presente na cidade em outros seis bairros: Granjaria, à Av. João Inácio Peixoto, 348; Vila Reis, à rua Manoel de Almeida Costa, 239; Ibrahim Mendonça, à rua Manoel Barbosa, 212; Haidêe Fajardo, à rua Dr. Abílio César Novaes, 253-A; Ponte Alta, à Av. Sizenando Dutra de Siqueira, 771; e Leonardo, à rua Antônio de Souza Filho, 25.

 Ainda é responsável pela direção das igrejas metodistas presentes nas cidades de Miraí e Itamarati de Minas.

(Com informações de ometodismonoestadodeminas.blogspot.com.br)

 

Veja Mais:

Vídeos sobre a História do Metodismo em Cataguases

 

Veja nossas fotos históricas: